quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Alimenta o teu desejo

Observa tua boca salivar

Baba de desejo, VONTADE

Pra depois

SÓ depois

BEM DEPOIS

Cobrir o desejo com fartura

Até que o oposto te atropele e o excesso cesse a tempestade

E faça em ti o raro da calmaria

Um comentário:

vivian disse...

gostei do teu estilo
sempre te achei criativo, meio angustiado mas gosto desse tipo de poesia, faz meu genero